PUBLICIDADE

Topo

Histórico

A cesta básica da saúde: arroz, feijão e caminhada

Nuno Cobra Jr.

01/04/2020 04h00

Caminhar faz muito bem à saúde cardiovascular. Mesmo dentro de casa, não deixe de andar | Crédito: iStock

Há alguns dias, um corredor francês transformou a varanda de seu apartamento (com 7 metros de comprimento) no menor trajeto de uma maratona na história do esporte, completando os 42,195 km de "prova" em 6 horas e 45 minutos.

Tentando bater seu recorde, fui audacioso e, recentemente, fiz a maratona dentro do meu quarto, com apenas 2 metros de comprimento. Aproveitei e tentei bater o recorde da maratona mais lenta da história, porém, quando já estava correndo há 5 horas e percebi que ainda estava no quilômetro 12, desisti.

Na verdade, era tudo uma brincadeira, postei a hilária simulação dessa experiência em meu Instagram como forma de estimular as pessoas a fazerem atividades cardiovasculares em casa, durante a quarentena.

Falando sério, ano passado, fiz uma caminhada de 50 minutos dentro de um apartamento. Eu estava cuidando de uma pessoa que estava doente e, então, sem possibilidade de sair, enquanto ela dormia, eu abri a porta que dava para o corredor, para aumentar o percurso, e, a cada 15 minutos de caminhada, subia e descia 2 andares.

Essa pode ser uma ótima opção para se manter ativo, para quem mora em prédio. Não precisa caminhar rápido, uma caminhada leve, nesse caso, já faz a função de ativar o organismo e fortalecer o sistema imunológico. Te convido a replicar esse desafio e postar a sua maratona em casa. Vale maratonar no sofá assistindo à sua série favorita, na pia ou na faxina.

O desafio está lançado!

Arroz, feijão e caminhada

Recentemente, ao gravar um conteúdo para as redes sociais, sem querer, de improviso, acabei criando um mote bacana para uma campanha de saúde pública, segue o texto: "A caminhada é tão importante quanto respirar, aliás é ela que irá manter a saúde do seu sistema cardiorrespiratório. Caminhar deveria fazer parte da cesta básica: arroz, feijão e caminhada."

Não entendo! Como alguém pode cuidar apenas dos músculos e não priorizar a sua saúde cardiovascular? A saúde orgânica não deveria vir antes? Se eu tivesse que escolher qual a atividade física mais essencial, mais saudável, perfeita, democrática e a mais eficiente que existe, com certeza, eu escolheria a caminhada.

O ser humano caminha sobre a terra há milhões de anos, há apenas 100 anos, a maioria de nós caminhava de 7 a 8 km por dia, uma vez que ainda não existiam veículos de transporte acessível à população. Não por acaso, o excesso de peso e as principais doenças modernas ainda não tinham aumentado de forma assustadora, como ocorreu nas décadas seguintes, na medida em que o nosso sedentarismo foi se acentuando.

A ciência do esporte ainda não revelou, de forma profunda, os benefícios dessa atividade e, na última década, a caminhada foi sucateada, descredenciada e relegada a algo irrelevante, um erro grosseiro que demonstra a falta de uma visão integrativa da saúde corporal.

Existe uma contradição, pois, de um lado, campanhas de saúde pública o estimulam a ficar mais ativo e caminhar; e do outro, a indústria do fitness busca promover seus produtos, dizendo que a caminhada não serve para nada. No entanto, essa atividade continua sendo o treinamento cardiovascular ideal para quem está acima do peso. Explico essa questão com mais detalhes, futuramente, aqui no meu blog.

Embora isso não seja divulgado, a caminhada é o mais potente ansiolítico existente no mercado, pesquisas comprovam que o seu efeito na ansiedade é mais eficiente que o mais moderno medicamento disponível atualmente. Além do mais, ela regula a nossa saúde física e mental de forma complexa, os seus efeitos em nosso organismo são indiretos e assustadoramente mais abrangentes, do que se imagina.
Por exemplo, a caminhada tem um efeito moderador sobre praticamente todas as nossas atividades orgânicas funcionais, além de moderar nosso apetite. Além do mais, ela tem um efeito modulador na qualidade do sono, o elemento que, de forma isolada, mais impacta a nossa saúde. Quando um elemento impacta o sono dessa forma, ele impõe respeito.
Não existe nenhuma atividade que tenha um custo benefício tão elevado quanto a caminhada, você pode praticá-la por toda a vida, sem prejudicar ou agredir o seu aparelho locomotor e, através dessa atividade, a sua saúde pode ser irretocavelmente perfeita, ou seja, como você pode perceber, fazer o mínimo já é muito!

Por que caminhar é essencial nesse momento?

É como eu digo: treine como se a sua vida dependesse disso, porque ela depende, e muito!
O momento em que vivemos vem salientar e revelar quais estratégias favorecem o nosso corpo ou não. Se é a favor da manutenção da vida e do sistema orgânico, é saudável, simples assim. O sistema imunológico serve como um precioso parâmetro para analisar essas estratégias. Ele é uma espécie de termômetro daquilo que agride o nosso organismo. Um treino muito exigente expõe e fragiliza esse sistema por até 24 horas, dependendo da sua intensidade.

O treinamento com moderação, somado a um sono de qualidade, são os dois elementos que mais fortalecem esse sistema, em seguida vem a alimentação. Comparados a esses pilares essenciais, qualquer outra coisa sintetizada ou inventada pelo homem é um mero coadjuvante. Coloque a exposição à luz do sol nessa receita, acrescente a diminuição do estresse físico e mental e pronto, a saúde do seu sistema imunológico foi lá para cima.

Nesse momento, a imunidade é muito mais relevante do que a idade, conheço senhores que dão "uma surra" na imunidade dos mais jovens, ou seja, em time que está ganhando não se mexe, mas em time que está perdendo, a substituição dos hábitos deve ser urgente.

Cuidado, não treine em excesso!

Se você ainda duvida que a moderação (que significa: na medida exata, sem exagero) é o princípio fundamental da saúde corporal, agora, diante de um vírus que pode ser letal, não restará mais dúvida. Nesse momento, o segredo é não fazer nenhum treinamento ou forma de alimentação as quais você não esteja bem adaptado, sob o risco de agredir seu sistema orgânico. Dieta ou restrição alimentar nem pensar!

Treinar com moderação e comer com moderação, essa é a receita. Na realidade, o ideal seria treinar um pouco abaixo do seu nível de adaptação para preservar o seu sistema imunológico. Por que isso? Ao fazer um treino que você já está acostumado, porém ter tido uma noite de sono ruim, esse estímulo vai cair muito mal à sua imunidade, despencando a sua resistência orgânica e escancarando a porta do seu sistema a qualquer vírus oportunista.

Por esse motivo, calcular mal a dosagem do treinamento e não ter o repouso necessário pode ser perigoso. Por exemplo, há dois anos, um amigo meu, um atleta de competição experiente, ficou à beira da morte devido a uma pneumonia oportunista. Qual foi seu erro? Fazer o que estava acostumado e dormir mal. Resumo: a sensatez e a moderação corporal nunca foram tão importantes!

Sobre o Autor

Nuno Cobra Júnior é um generalista do conhecimento corporal e acompanhou o treinamento físico e mental de alguns dos maiores esportistas brasileiros nos últimos 35 anos, entre medalhistas olímpicos e diversos campeões mundiais, como Ayrton Senna e o surfista profissional Ítalo Ferreira. Profissional de educação física, palestrante, consultor em qualidade de vida e treinamento integral, tem ajudado a conceitualizar e fomentar uma nova visão do treinamento físico, longe dos modismos e dos modelos hegemônicos de treinamento. O autor do livro “O Músculo da Alma, a Chave para a Sabedoria Corporal” defende a inovação e a renovação do treinamento físico. É fundador de uma nova abordagem metodológica que une a filosofia, a psicologia e diversas áreas do conhecimento corporal, aplicados ao treinamento físico. Veja mais em www.treinamentoconsciente.com.br

Sobre o blog

Aqui, Nuno Cobra Jr. propõe uma pequena revolução: pensar o corpo e o treinamento físico através de um prisma filosófico, integral e multidisciplinar. Ele pretende dar voz e visibilidade ao Movimento Treinamento Consciente, uma resposta à cultura de treinamento baseada na dor e no sofrimento. Esse movimento agrega fisioterapeutas, doutores em educação física, fisiologistas, ortopedistas, cardiologistas e nutricionistas, entre outros. A missão desse espaço é criar uma comunicação entre estes profissionais, expandir o conhecimento e fomentar na população a consciência no cuidado com o corpo.